Páginas

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

A Revolução Industrial na Europa resultou na Estrada Real do Comércio

 









A Revolução Industrial na Europa resultou na Estrada Real do Comércio
  No início da segunda metade do século XVIII, para ser mais preciso, no ano de 1760, teve início na Europa uma Revolução Industrial. Com ela, a implementação paulatina da 'modernidade capitalista'. Em radical desacordo com tais ideias e pretensões a França, sob a égide de Napoleão Bonaparte, se coloca definitivamente contra, e, passa a combater militarmente aos que se consorciaram, ou colocaram em prática a nova e revolucionária ideia. Defensora ferrenha da nova concepção a Inglaterra, de repente, se viu na mira do intransigente Bonaparte. Radical, o francês decreta o "Bloqueio Continental", ato que proibia que os Portos do continente Europeu recebessem os navios da Inglaterra, bem como de toda e qualquer embarcação de países alinhados com a nova e progressista pretensão. 
  Dom João não respeita ao petulante Napoleão e tem seu reino invadido. A solução foi a fuga da Família Real, para o Brasil!
   Fiel às ideias progressistas, e ao sonho da revolução Industrial, ao chegar à Bahia, o Príncipe Regente, Dom João, decreta à "Abertura dos Portos às Nações Amigas". Ainda por conta do enfrentamento a Napoleão, os administradores do Reino 'invadem' o Rio de Janeiro para cria um polo comercial autossuficiente e institui  a Junta Real do Comércio, que redundou na construção da Estrada Real do Comércio, a primeira estrada para o transporte de grão do Brasil.
    Esta estrada tinha início bem no coração do Porto de Iguassú, localizado na Vila de Iguassú que hoje é conhecido como Iguaçu Velho, bairro próximo a Tinguá!
 
Revolução Industrial na Europa à parte, Ney Alberto nos descreve trecho sobre sua construção 
      Começava no Largo dos Ferreiros "A Estrada Real do Comércio, começando no “Largo dos Ferreiros”, na Povoação de Iguassú, foi – até o início do ano de 1858 – importante traço de união entre as localidades situadas entre iguassú (Iguassú Velha) e as localidades antes das propriedades do Barão de Ubá, margem direita do Rio Paraíba (Paraíba do Sul).
  O traçado escolhido foi detalhado pelo Sargento-Mor. Inácio de Souza Werneck, personagem de Pati do Alferes. Outro sargento, Francisco Soares de Andréa, auxiliado por Manuel Joaquim Pardal, dão início às obras. Tarefa concluída em 1817. A Estrada – ainda não calçada – ziguezagueava a “Cerra Tingoá” e, vencendo-a, descia o Vale do Rio Santana, com ramificações para o lugar denominado “Certão” (Conrado) e para “Bom Fim” (Arcádia). Em 1822 percorreu-a o Botânico francês Saint Hilaire, que afirmou: “Seja como for, é difícil encontrar-se caminho mais pitoresco”. Durante 15 anos – mesmo bem transitada por tropeiros – ficou mal conservada. A expansão cafeeira revitalizou-a. Em meados do século dezenove foi “empedrada”, depois de encurtamentos, sob a responsabilidade do Coronel-de-Engenheiro Conrado Jacob Niemayer. Calçada, em longos trechos, com pedras (pé-de-moleque). O pesquisador Brasil Gerson (em “O Ouro o Café e o Rio”) a ele assim se referiu: “poderia também chamar-se a primeira Estrada do Café dos brasileiros”. O Porto de Iguassú (na Praça do Comércio) deve ter sido montado após o “calçamento” desta Estrada, porque, em mapeamento de 1837, não aparece.
   O Maciço do Tinguá, até 1896, era conhecido com esta denominação: - 'Serra do Comércio'."






domingo, 3 de janeiro de 2021

Aniversário de Nova Iguaçu - Agora são 188 anos

 Por: Wandemberg

 Aniversário de Nova Iguaçu - Agora são 188 anos  
    Dia 15 de janeiro é quando comemoramos o aniversário de Nova Iguaçu, um município fantástico cuja população se movimenta, intensamente, entre as elevações da Serra de Madureira, da Reserva Biológica do Tinguá, e que faz limites com alguns outros municípios que, antes de se emanciparem, já fizeram parte do mapa iguaçuano, como: Caxias, Mesquita, Queimados, Nilópolis, São João do Meriti. É, também o dia em que acontece a tradicional "MISSA DAS DEZ" na igreja de Santo Antônio, também referenciada como "MISSA DOS POLÍTICOS", que é 'pontualmente' a missa na qual se apresentam vereadores em gestão, o prefeito vigente, políticos e militantes de um modo geral. 
   Observação: durante o evento, são ministradas outras missas ao longo do dia e, ainda, é promovida uma concorrida procissão que caminha pelas principais ruas do centro da Cidade!.

    Neste ano de 2021, ocasião em que o município completa 188 anos, não sabemos ao certo(ninguém sabe) se haverão as missas. O Corona Vírus está por aí e, provavelmente, a aglomeração dos fiéis na - Catedral de Santo Antônio - não será permitida pelas autoridades. "Missa das Dez" à parte, vamos publicar abaixo alguns trechos do nosso saudoso historiador Ney Alberto que, ao nos remeter ao passado, nos mostra informações interessantes da belíssima história do nosso Município.   

Por: Ney Alberto
      O município nasceu com a Câmara Municipal
   "O Município de Nova Iguaçu nasceu no dia 15 de janeiro de 1833. A partir dessa data passou a existir ‘de direito’. Tomadas as providencias legais e concluindo-as com a eleição dos Vereadores instalou-se a Câmara Municipal, no dia 29 de julho de 1833. Assim, o município passou a ter existência ‘de fato’. Os primeiros vereadores (‘Intendentes’) foram os seguintes: Ignácio Antônio de Souza Amaral (eleito presidente), Antônio Ferreira Nunes, Bento Antônio Moreira Dias, Carlos José Moreira Barbosa, Domingos Francisco Ramos, Feliciano José de carvalho e Francisco Maria Vianna. A posse foi referendada pelo presidente da ‘Câmara da Corte’ (Câmara da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro). A data da instalação da Câmara na Vila de Iguassú (Sede do Município) está registrada no “Balanço da Câmara Municipal da Vila do Iguassú, dos meses de agosto e setembro do ano de 1833” ( Documentos II -34, 21, 22. Biblioteca Nacional do Rio de janeiro).
  Nosso Legislativo municipal não costuma comemorar tal data. Até porque os livros antigos forneciam outra data, e nossas autoridades  só festejam o ‘15 de janeiro’, notadamente, à partir do centenário da criação do Município( 15 de janeiro de 1933).
  Por ocasião dos festejos comemorativos deste centenário, o interventor, Sebastião de Arruda Negreiros, inaugurou um monumento, à Praça Ministro Seabra ( mais tarde denominada ‘Praça da Liberdade’), em homenagem à autonomia municipal. E, desde então, todo dia 15 de janeiro, a chefia do Executivo deposita flores ao pé do ‘obelisco’. É feriado iguaçuano. A Câmara, portanto, nasceu antes da prefeitura. A Câmara , em 1833 e a prefeitura em 1919. 
   As terras onde surgiu Nova Iguaçu e a Baixada Fluminense
  As terras  onde surgiu a Vila de Iguassú foram doadas a Cristóvão de Barros em 1567, por Mem de Sá. Ficavam localizadas há uma légua acima da foz do Rio Iguassú (na baía de Guanabara), e meia légua para ambas as margens do Rio, das terras pertencentes ao sesmeiro Brás Cubas. 
  Nos idos de 1778 e 1779 a localidade de Nossa Senhora da Piedade de Iguassú, onde no século seguinte foi  fundada a sede da Vila de Iguassú, possuía pouco mais de 2.000 habitantes , em sua maioria escravos. Alguns anos após a Independência do Brasil, em 15 de janeiro de 1833, por decreto imperial liderado por Nicolau de Campos Vergueiro e por ordem do Imperador Dom Pedro II, é criada a Vila de Iguassú que ía desde a Freguesia de Inhomirin até as terras da Freguesia de Marapicu, às margens do Rio Guandu, mas por discordâncias dos habitantes de Inhomirin, que não queriam que suas freguesias pertencessem a Iguassú, menos de 2 anos foi extinta, segundo a Lei da Assembleia Legislativa Provincial número 14, de 13 de abril de 1835. As terras dos discordantes foram distribuídas  e agregadas entre Vassouras e Magé, e 1836, também com Niterói. Em 10 de dezembro de 1836, por força da Lei 57, contando com a ingerência de Francisco José Soares o – Comendador Soares – proprietário de terras e político, de origem portuguesa, a Vila foi Proclamada novamente Município do qual faziam parte, ainda, as seguintes freguesias desanexadas da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro: Nossa senhora da Piedade (sede), Nossa senhora do Pilar, Santo Antônio de Jacutinga, São João do Trairaponga e, à partir de 1855, Santana das Palmeiras(em ruína no Alto Tinguá).
  A partir daí, alavancada pela razoável produção agrícola e pela trilogia estrutural – Rio Iguassú; Estrada Real do Comércio; portos - a Vila experimentou fase de acentuado progresso, progresso esse que teve fim imediatamente depois da inauguração da Estrada de Ferro Dom Pedro II.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

Vereador Dudu Reina é o novo presidente da Câmara Municipal de Nova Iguaçu

 

Discurso do novo presidente Dudu Reina    







Nova Mesa Diretora: Jeferson Ramos, Vaguinho, BNH, presidente Dudu Reina, Felipinho, Alexandre e Haja Luz

  

Aconteceu dia (01/01/21), na parte da manhã, a solenidade de posse dos 11 vereadores eleitos na cidade de Nova Iguaçu para a legislatura 2021/2024. Após a posse, com apenas uma chapa inscrita, houve a eleição da Mesa Diretora, escolhida com unanimidade de votos. Eduardo Reina Gomes de Oliveira, Dudu Reina (PDT), é o novo presidente da Câmara. Os demais membros são:

   . 1º vice-presidente: Carlos Alberto Ribeiro da Silva, Carlinhos BNH (PP)

   . 2º vice-presidente: Vagner Mateus dos Santos, Vaguinho Neguinho (Patriota)

   . 3º vice-presidente: Jeferson Ramos de Oliveira, Jeferson Ramos (MDB)

   . 1º secretário: Felipe Rangel Garcia, Felipinho Ravis (Solidariedade)

   .2º secretário: Alexandre Rocha de Azeredo, Alexandre da Padaria (PSD)

   .3º secretário: Claudio Valdemir de Oliveira Marques, Claudio Haja Luz (REPUBLICANOS)

    Os demais vereadores empossados são: Mauricio Morais Lopes, Mauricio Morais (Avante), que foi escolhido o líder de governo; Germano Silva de Oliveira, Maninho de Cabuçu (Cidadania); Alcemir Gomes Moreira, Alcemir Gomes (PROS); e Marcio Luís Marques Guimarães, Dr. Marcio Guerreiro (PP).

   As falas de todos os vereadores convergiram para a construção de uma política de união e crescimento no município. O presidente Dudu Reina ressaltou a importância pela vida humana, principalmente neste momento de pandemia, momento que ainda vivemos. “Sob minha coordenação, este Legislativo será de fato a Casa do Povo. Vamos legislar em harmonia com o Poder Executivo. Nosso foco será sempre proporcionar o melhor para o povo iguaçuano”, disse o presidente.

   Aos 40 anos, este é o 1º mandato de Dudu Reina, eleito com mais de 8 mil votos. Sua experiência é vasta no segmento do setor público. 

   

segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

 

Via Internet
Davi Morgado com Felipe Oliveira e outras 3 pessoas
Pastor se disfarça de mendigo antes de pregação e veja o que aconteceu
Um renomado pastor era aguardado, pelos fiéis daquela igreja de 10.000 membros, para substituir um colega seu que acabara de deixar a função. A expectativa era imensa. Assim sendo todos se vestiram com um certo glamour para bem receberem o representante do Divino. Afinal a partir daquele momento solene era ele quem iria mostrar o caminho a ser seguido. Todavia uma surpresa os aguardavam. João Gimenes Reis não era um pastor qualquer, trazia dentro de si uma visão muito ampla a respeito do relacionamento humano e, logo no primeiro encontro, com suas novas ovelhas, resolveu usar de um subterfúgio para conhece-las melhor, o que redundou numa interessante lição para os frequentadores daquela casa. Lição da qual jamais se esqueceriam. 

 Joao Luiz Gimenes Reis, antes de se apresentar como novo Pastor, caminhou ao redor da igreja enquanto ela se enchia de pessoas para o culto. . Estava disfarçado de mendigo e ninguém poderia supor que aquela pessoa tão insignificante poderia ser o grande esperado da noite, e, que, em breves instantes passaria a ser o Pastor principal daquela gigantesca igreja. Circulou pelas proximidades por cerca de 30 minutos, enquanto ela se enchia de pessoas para o culto. Somente 3 de cada 7 das 10.000 pessoas diziam "oi" para ele. Para se certificar melhor da disponibilidade do coração das pessoas chegou a pedir moedas para comprar comida. Ninguém na Igreja lhe deu algo. Entrou no templo e tentou sentar-se na parte da frente, mas os diáconos o pediram que ele se sentasse na parte de trás da igreja. Ele cumprimentava as pessoas que o devolviam olhares sujos e de julgamento ao olhá-lo de cima à baixo.

Enquanto estava sentado na parte de trás da igreja, escutou os anúncios do culto e logo em seguida as lideranças subiram ao altar e anunciaram que se sentiam emocionados em apresentar o novo pastor da congregação: "Gostaríamos de apresentar à vocês o Pastor Joao Luiz Gimenes Reis". As pessoas olharam ao redor aplaudindo com alegria e ansiedade. Foi quando o homem sem lar, o mendigo que se sentava nos últimos bancos, se colocou em pé e começou a caminhar pelo corredor. Os aplausos pararam. E todos o olhavam. Ele se aproximou do altar e pegou o microfone. Conteve-se por um momento e falou:

“Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que foi preparado para vocês desde a criação do mundo. Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram’. “Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’ “O Rei responderá: ‘Digo a verdade: O que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’."

Depois de haver recitado o texto de Mateus 25:34-40, olhou a congregação e lhes contou tudo que havia experimentado aquela manhã. Muitos começaram a chorar, muitas cabeças se inclinaram pela vergonha. O pastor disse então: "Hoje vejo uma reunião de pessoas, não a Igreja de Jesus Cristo. O mundo tem pessoas suficientes, mas não suficientes discípulos. Quando vocês se tornarão discípulos?". Logo depois, encerrou o culto e despediu-se: "Até semana que vem"! Ser cristão é mais que algo que você defende. É algo que vive e compartilha com outras pessoas.

sábado, 19 de dezembro de 2020

Fernando Tinguá o Motociclista Ecológico

 


   Por: Berguinho

   De certa feita..., antes de ser criada a Reserva Biológica do Tinguá, um homem foi até uma serraria que existia dentro da mata. Era Márcio Castro das Mercês, que embora não estivesse usando, naquele momento, fardamento, era o novo guarda do, então, IBAMA, hoje, Instituto Chico Mendes. Se identificou ao dono do estabelecimento e tão logo constatou irregularidades, o guarda ordenou o fechamento do recinto, tendo como acusação principal - extração ilegal de madeira. O proprietário não se fez de rogado, já acostumado com a exploração exercida por determinadas autoridades há época, sem a menor parcimônia, pegou um envelope contendo certa quantia em dinheiro, que já estava separado em uma gaveta, e tentou passar às mãos do guarda. Ficou na tentativa! Para surpresa geral, o guarda, mais que depressa, deu 'voz de prisão' ao madeireiro, por tentativa de suborno: " Daqui pra frente tudo que falar será usado contra o Sr", disse. No pátio, perfilados, nove lotes de madeira. Havia, ainda, na mata cerca de trinta árvores abatidas pelas lâminas gigantes das serras, prontas para formarem novos lotes. Ao largo, um jovem adolescente apreciava, atentamente, todo o desenrolar dos acontecimentos. Era Fernando, um dos filhos do dono do estabelecimento. A ele não passou despercebido o fato do guarda, além de rejeitar a proposta oferecida, ainda, se dar ao dever de explicar as razões de estar tomando tais medidas, ministrando uma verdadeira aula sobre a degradação do meio ambiente e suas graves consequências para a manutenção da vida no planeta. Para o jovem Fernando, embora seu pai naquele momento estivesse sendo enquadrado pela Lei, as palavras proferidas pelo guarda faziam sentido. Jamais ouvira alguém falar daquela forma sobre a floresta e tudo que a envolvia. O tempo passou e Fernando saiu 'vida à fora'. Ingressou na Marinha do Brasil, onde fez curso de mergulhador e conheceu o 'mundo'. 

    Anos depois 'deu baixa' e acabou indo parar no garimpo de 'Serra Pelada', levando consigo às palavras do guarda que fechara, no passado, a serraria do seu pai. Um dia, porém, a saudade apertou e resolveu deixar momentaneamente o garimpo indo visitar sua terra querida. Todavia, mal chegou à Praça de Tinguá, um burburinho despertou -lhe à atenção. Por coincidência o entrevero se dava no bar para o qual se dirigia. Chegando lá, havia um homem acuado no banheiro por um grupo de 'palmiteiros' (extratores de palmito) armados, e pronto para detoná-lo. Curioso, Fernando, fez breve investigação entre os presentes, e, atônito ficou quando constatou que o homem acuado era, justamente, o guarda que um dia ao fechar a serraria de seu pai lhe chamara a atenção para a degradação da natureza e da necessidade de se fazer algo em sua defesa. O guarda, intransigente como sempre, apreendera uma carga de palmito extraída ilegalmente da mata por um palmiteiro, e, agora, os demais palmiteiros, em solidariedade ao que perdera a mercadoria, vieram pra se vingar. Destemido e acostumado a lidar com situações semelhantes Fernando sacou de uma arma e pôs em fuga a turba irada, faltando pouco para atear fogo a um dos veículo usado por um dos componentes do grupo, salvando, assim, a vida do moço. Ficou amigo do guarda e optou por dar um tempo em Tinguá, engajando-se no grupo ecológico GDM do qual faziam parte, além do próprio Márcio(o guarda), o saudoso ambientalista Dionísio Júlio, que mais tarde fora assassinado brutalmente por palmiteiros, se tornando símbolo na luta contra a destruição da Mata Atlântica, em Tinguá. No princípio Fernando se entendia bem com o grupo, com o tempo, porém, começou a divergir na forma de atuar do GDM, que só se dispunha a ministrar ação tipicamente policial, enquanto Fernando defendia a premissa da educação ambiental, por esse motivo saiu do grupo e se juntou a um grupo de motociclistas, que também não aceitou suas ideias. Resolveu , então, criar sua própria ONG: UBEM (UNIÀO BRASIL ECOLOGISTAS E MOTOCICLISTAS).

Prefeito, vice prefeito e vereadores eleitos em Nova Iguaçu são diplomados

 

                                              • Prefeito Rogério, juiz Alberto e vice Juninho

•A partir da esquerda: Dr. Marcio, Jeferson Ramos, BNH, Alexandre, Dudu, Felipinho, Haja Luz, Mauricio, Vaguinho, Alcemir e Maninho

Ascom CMNI

        Prefeito, vice prefeito e vereadores eleitos em Nova Iguaçu são diplomados

     Os 11 vereadores, o prefeito Rogério Lisboa e o.vice Rogerio Teixeira Junior, Juninho do Pneu, eleitos para o mandato 2021/2024 na cidade de Nova Iguaçu, foram diplomados esta tarde pelo presidente da 156° Junta Eleitoral, Dr. Alberto Republicano

    Apesar da cerimônia rápida, devido à crise sanitária causada pela covid-19, que não permite aglomeração, o sentimento entre os eleitos era o de dever cumprido, na eleição que foi considerada a mais disputada de todo Brasil.

      Os primeiros suplentes de cada partido também foram diplomados.

 

                Relação dos eleitos:

 - Prefeito: Rogério Martins Lisboa ( ROGÉRIO LISBOA - PP)

 . Vice Prefeito: Rogerio Teixeira Junior (JUNINHO DO PNEU - DEM)

 ¤ VEREADORES:

 - Felipe Rangel Garcia ( FELIPINHO RAVIS - SOLIDARIEDADE)

 - Vagner Martins dos Santos  (VAGUINHO NEGUINHO - PATRIOTA)

 - Eduardo Reina Gomes de Oliveira ( DUDU REINA - PDT)

 - Claudio Valdemir  de Oliveira Marques (CLAUDIO HAJA LUZ - REPUBLICANOS)

 . Carlos Alberto Ribeiro  da Silva  (CARLINHOS BNH- PP)

 - Jeferson Ramos de Oliveira  (JEFERSON RAMOS - MDB)

 - Mauricio Morais Lopes (MAURICIO MORAIS - AVANTE)

 - Alexandre Rocha de Azeredo ( ALEXANDRE DA PADARIA - PSD)

 - Germano Silva de Oliveira  (MANINHO DE CABUÇU- CIDADANIA)

 Alcemir Gomes de Oliveira ( ALCEMIR GOMES - PROS)

 - Marcio Luis  Marques Guimarães  ( DR MARCIO GUERREIRO - PP)

               Nas fotos, pela ordem:

 •A partir da esquerda: Dr. Marcio, Jeferson Ramos, BNH, Alexandre, Dudu, Felipinho, Haja Luz, Mauricio, Vaguinho, Alcemir e Maninho

• Prefeito Rogério, juiz Alberto e vice Juninho

quarta-feira, 16 de dezembro de 2020

Câmara de Nova Iguaçu aprova o Orçamento para o próximo ano

 


   Os vereadores iguaçuanos finalizaram ontem (15) a votação do projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA) para 2021, que define o exercício financeiro, estimando as receitas e fixando as despesas. O valor estimado da receita é de aproximadamente R$ 1 bilhão e 454 milhões. Com a aprovação da LOA, teve início o período de recesso das sessões plenárias. As contas do prefeito Rogério Lisboa, relativas ao ano de 2019, também foram aprovadas, por unanimidade. 14 vereadores estiveram presentes à sessão.

   Os vereadores homenagearam a vereadora Renata da Telemensagem. Sua foto agora faz parte da galeria das vereadoras de Nova Iguaçu. Renata agraciou o capitão PM Reis, com a Medalha Comendador Soares. Reis é o coordenador do Segurança Presente de Austin.

   Como ano que vem começa um novo mandato legislativo, agora com 11 vereadores, os parlamentares fizeram discursos parabenizando os que se reelegeram e os que irão ocupar uma cadeira na Casa pela primeira vez. Os que não voltarão também foram lembrados com o desejo de sucesso e boa sorte para uma nova jornada.

   Participaram da sessão: Felipinho Ravis, Mauricio Morais, Renato do Mercado, Carlinhos BNH, Vaguinho Neguinho, Fernandinho Moquetá, Renata da Telemensagem, Alcemir Gomes, Paulinho da Padaria, Rogério Villanova, Marcelo Lajes, Alexandre da Padaria, Li Só Alegria e Aguinaldo Camu.