segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Caravana de Esporte e Lazer nos Bairros em Vila de Cava





Por: Wandemberg
Caravana de Esporte e Lazer nos Bairros
Foi realizada na - Praça de Vila de Cava - domingo, 31/8, a quinta etapa do projeto itinerante - Caravana de Esporte e Lazer nos Bairros - um programa da Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu que visita, com seus professores, as localidades do município abrindo às portas para a inclusão esportiva de jovens realizando diversas competições, com o objetivo de descobrir talentos nas faixas etárias sub 14 e sub 17 em futebol de campo, futsal, judô, atletismo e vólei. Houve, ainda, roda de capoeira e campeonato de embaixadinhas.

Para facilitar o desempenho dos atletas a "Caravana", instalou grama sintética móvel, com dimensões de uma quadra poli-esportiva normal e, ainda , dois pórticos de largada e chegada.   
“O esporte e lazer devem estar à disposição da comunidade. O direito é incondicional a todos, independentemente da classe social, religião, sexo ou idade”, disse o secretário de Esporte e Lazer de Nova Iguaçu, Adriano Santos.

Daniella Reis moradora de Vila de Cava foi levar seus dois filhos para
participarem do evento: Gabriel Reis (judô) e Richard (futebol). 
"É muito oportuna essa iniciativa da prefeitura, porque na última das hipóteses tira as crianças da rua, oferecendo uma nova perspectiva de vida", disse a mãe!

Outra que comentou o acontecimento foi Dona Jocilene Batista Curvelo mãe de João Lucas.
"Moro somente há um mês em Vila de Cava e fiquei encantada com a oportunidade . Onde morávamos, na Pavuna, meu filho ficava o dia inteiro preso dentro de casa, agora, aqui em Nova Iguaçu surge essa oportunidade de pratica esportiva, isso é ótimo - falou a nova moradora de Cava!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Viaduto da Barros Junior será interditado para obras pela quarta vez

Por: ASCOM
Viaduto da Barros Junior será interditado para obras pela quarta vez
No próximo domingo (31/08), das 7h às 18h, a Prefeitura de Nova Iguaçu volta a interditar, pela quarta vez, o viaduto da Rua Barros Junior. O fechamento será para obras de duplicação. Na operação serão empregados 15 controladores de tráfego e duas viaturas, que contará também com dois painéis eletrônicos alertando aos motoristas sobre a interdição.

Os motoristas deverão redobrar a atenção, pois os que vierem dos bairros Esplanada, Miguel Couto, Rancho Novo e adjacências deverão usar como alternativa a Avenida Pensilvânia, Rua Baltimore, Via Dutra, sentido Rio-São Paulo, entrar no Viaduto da Posse e seguir pela Avenida Roberto Silveira, em direção ao Centro de Nova Iguaçu, e Rua Professor Heleno Fragoso, em direção à Dutra.

Já os que trafegarem do Centro de Nova Iguaçu, com destino à Estrada de Iguaçu, devem optar pela Via Dutra, sentido Rio de Janeiro, e fazer o contorno na passagem subterrânea da Jacutinga (Posto 13), retornando à Dutra, até a entrada do bairro Rancho Novo. A outra  alternativa é acessar o viaduto da Posse.


O fim dos transtornos
A interrupção nos dois acessos vai permitir os preparativos para o início das obras de duplicação do viaduto, com previsão de conclusão para dezembro de 2015. O projeto, avaliado em R$ 28,09 milhões, terá duas pistas de rolamento, ciclovia e faixa isolada para pedestre com mureta de proteção (guard rail). O entorno vai ganhar ainda área urbanizada, com a criação de 6 mil metros quadrados de área verde.

Hospital Geral de Nova Iguaçu realiza cirurgia para captação de órgãos para transplante

 Médicos do Programa Estadual de Transplantes (PET) levam os órgãos de Jhonatam Palmeira. Foram doados rins e fígado.
Por: Fernanda Rodrigues
Hospital Geral de Nova Iguaçu realiza cirurgia para captação de órgãos para transplante
O Hospital Geral de Nova Iguaçu (Hospital da Posse/HGNI) realizou na noite desta quinta-feira (28/08) a segunda cirurgia de captação de órgãos para transplante este ano. Foram os captados os rins e fígado do paciente Jhonatan Palmeira Ribeiro da Silva, de 22 anos, que teve morte encefálica. Ele estava internado na unidade com traumatismo craniano desde o dia 25/08, após sofrer um acidente de carro em Belford Roxo.

A cirurgia, que durou cerca de cinco horas, foi realizada pelas equipes médicas da unidade e pelos médicos do Rio Transplantes, ligado ao Programa Estadual de Transplantes (PET). Após o procedimento, os órgãos foram levados para Central de Transplantes e serão transplantados em três pacientes.

           Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, a fila de pacientes que esperam por transplantes atualmente é de 900 pessoas. A chefe do Serviço Social do HGNI, Regina Hugo, ressalta que a maior dificuldade para diminuir essa fila está na recusa da família.

“A morte encefálica é a paralisação de todos os comandos do cérebro, ela é irreversível. A falta de informação sobre o que realmente isso significa, em muitos casos, faz com que a família não aceite a doação dos órgãos por acreditar que o ente querido ainda está vivo. Na verdade, o paciente naquele momento está sendo mantido apenas por conta dos aparelhos até a decisão da família em doar ou não. Após a confirmação da morte encefálica, a família precisa decidir em um prazo de 24hs”, afirma Regina.

Atualmente, a legislação brasileira sobre doação de órgãos não exige mais o registro em documento de identidade ou algum tipo de carteirinha declarando que a pessoa seja doadora. Basta o doador expressar em vida aos familiares o desejo em doar.

De acordo com o PET, este ano foram feitas 225 doações que resultaram em 587 transplantes – número quatro vezes maior do em 2008, quando ocrreram 48 doações que possibilitaram 237 transplantes. O diretor do Hospital da Posse, Joé Sestello, explica que a precisão no diagnóstico e rapidez no transporte dos órgãos até o receptor são fundamentais para o sucesso do transplante.

“Após a constatação da morte encefálica de um paciente e a autorização dos familiares na doação dos órgãos, cabe à unidade hospitalar acionar o Centro Estadual de Transplantes para iniciar o quanto antes todo processo. Quando mais rápido ele for realizado, maiores serão as chances de o transplante ser bem sucedido. Um único paciente pode ajudar a salvar diversas vidas, com doações de córneas, coração, fígado, rim, osso, entre outros órgãos”, ressalta.

A Central de Transplantes disponibiliza o telefone 155 para orientações e esclarecimentos de dúvidas sobre doação de órgãos. A ligação é gratuita.