Páginas

sábado, 5 de abril de 2014

ALERJ PROCESSA CONSTRUTORA DO CONDOMÍNIO CIDADE PARADISO

Deputado Estadual Luiz Martins, hoje, considerado o mais dinâmico da ALERJ

ANNA Carolina Fernandes
ALERJ PROCESSA CONSTRUTORA DO   CONDOMÍNIO CIDADE PARADISO
A Comissão  de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, presidida pelo deputado Luiz Martins (PDT), ingressou nesta quarta-feira (19/03), com Ação Civil Pública  com antecipação de Tutela, em face da construtora  CR2, obrigando  a empresa  indenizar os proprietários de casas do condomínio  Cidade Paradiso por danos morais e materiais, entre outros pedidos. 

Em meados de 2008,  a CR2  iniciou a construção do complexo denominado Cidade Paradiso, localizado no bairro Campo Alegre, em Nova Iguaçu, com “proporções de uma verdadeira cidade“. O complexo prometido e ofertado denominado “super condomínio” conhecido como Jardim Paradiso, com capacidade para 30 mil unidades residenciais e comerciais, creche, shoppings, escolas, pólo industrial e de logística, contando ainda com um complexo esportivo denominado Clube Paradiso, junto a um parque urbano de mais de 238 mil m2, e, em seu entorno, urbanização, iluminação pública, redes de água e esgoto, conforme encartes de publicidade.

Quatro anos após a entrega dos imóveis, a situação do complexo encontra em estado  de alerta. Além de inexistir muitas das instalações prometidas, as estruturas físicas do condomínio estão precárias.  A creche prometida, encontra-se inacabada e sem funcionamento, o mesmo ocorre com o supermercado, da rede Vianense, que foi exaustivamente divulgado e sequer foi construído.  Os moradores não tem acesso ao clube e estão convivendo com verdadeiras crateras, equipamentos utilizados na área de lazer quebrados e soltos, quadra de esportes inundada; demonstrando que a qualidade das edificações e das estruturas que as sustentam, tanto no aspecto da adequação quanto no aspecto da segurança, está aquém do esperado e do tolerável.

-São diversos relatos de piso cedendo, instalações elétricas em curto, vazamentos de água, caixas d’água sustentadas por pedaços de madeira infestados de cupim e podres; janelas e portas enferrujadas; muros com vazamento, entre outros, o que demonstram a péssima qualidade dos materiais empregados na construção das unidades ou do serviço executado por conta da construtora- afirmou Martins. 

Outra situação calamitante refere-se à estação de tratamento de esgoto (ETE), que sequer foi concluída, deixando os moradores sem saneamento básico. A empresa iniciou a construção da ETE e interrompeu a mesma, deixando os materiais da obra “a céu aberto”

-  É inadmissível que um Condomínio desse porte, com milhares de moradores não  tenha em funcionamento, uma estação de tratamento de esgoto-relatou o parlamentar. 

Um comentário:

valeria disse...

Estou muito decepcionada com a administração do condomínio Paradiso.
Estamos há muito tempo com marimbondos no poste, podendo atacar a qualquer momento, uma cratera com vazamento de esgoto que atrapalha os ônibus que nos atendem e consequentemente estão surgindo" boatos" de que as empresas não mais nos atenderão, nos obrigando a ir para um outro ponto na pista principal que segundo os moradores acontecem vários assaltos.
Estou me sentido prejudicada, pois pago meu condomínio, pago Associação de Moradores e pago meu IPTU.
Não sei se falo por outras pessoas, mas estou implorando socorro e peço que tomem atitudes urgentes com relação as problemáticas existentes