Páginas

segunda-feira, 6 de março de 2017

Trem de passageiro para a Linha Auxiliar

Por: Wandemberg
Trem de passageiros para a Linha Auxiliar
   Outro dia logramos fazer sugestão sobre o aproveitamento do Rio Iguaçu, para ser usado no transporte fluvial entre Nova Iguaçu, Caxias e adjacências, para a Cidade do Rio de Janeiro, na matéria: "Transporte: Precisamos buscar no passado novas opções" . Recebemos grande adesão por parte de nossos diletos leitores. Agora viemos mostrar mais uma possibilidade, óbvia, de transporte, que, de certo, iria contribuir para desatravancar o trânsito entre, municípios e bairros da Região Metropolitana do Rio de Janeiro: A bucólica, e praticamente abandonada "Linha Auxiliar". 
  De forma alguma podemos ‘excluir’ trilhos e trens, quando o assunto se refere à Mobilidade Urbana. Por falar em trilhos ‘excluídos’, por mais que me esforce, não entendo porque a 'Linha Auxiliar', que fica próximo a Miguel Couto, e, é usada para o transporte de minério, não é utilizada, também, para transporte de passageiros, uma vez que sobre seus trilhos passam, apenas, um ou dois trens de carga por dia (tem dia que não passa nenhum) ficando o restante do tempo sem função. Um desperdício absurdo, na minha humilde concepção, quando se sabe que a cada dia fica mais difícil ir e vir da Baixada para o Rio de Janeiro.   
 A linha vem de Japeri, passando por diversos bairros da Baixada Fluminense, incluindo Pavuna, onde existe estação de metrô e de trem elétrico (Ramal de Belford Roxo), prontas para uma conexão.
 Se isso acontecesse, muita gente deixaria de ter que ir até Nova Iguaçu, para pegar o trem elétrico ou ônibus. Muitos outros mais, não precisariam fazer 'baldeação', em estações do subúrbio do Rio para tomar condução para lugares onde o trem do ramal de Nova Iguaçu, não passa, indo direto ao destino pretendido, exemplos: Del Castilho, Inhaúma, Irajá,... Bairros em contramão para quem está na linha férrea que passa pelo centro de Nova Iguaçu, todavia de fácil acesso para quem  usar o metrô da Pavuna ou o trem do ramal Belford-Roxo.

Bem que Cabral (Não o descobridor, sim o presidiário) poderia ter iniciado tal processo!
 Que pena que o ex- governador Cabral não tenha usado o erário público nesse tipo de investimento para o Estado e para o povo. De certo, não teria, hoje, fixado residência em Bangu. De início nem precisaria ser 'trem elétrico', posto que a via não foi adaptada desse recurso, mas não haveria de ser 'nada', bastava arrumar umas máquinas à óleo e fazer com que arrastassem, cada uma, meia dúzia de vagões convencionais, em horários de pico. Posso garantir que ia fazer uma grande diferença na mobilidade popular na Região Metropolitana do Rio de Janeiro e, se constituir numa vitória para milhares de pessoas que, residem em bairros distantes na Baixada Fluminense. Em verdade tal iniciativa seria mais uma questão de vontade política! Nem precisa indenizar ninguém! O principal está lá - o leito da linha férrea! 
  Só para criar uma nova perspectiva, pra início de conversa, a nova linha absorveria o excedente de passageiros que empanturra as composições da via elétrica que passa no centro de Nova Iguaçu, e, ainda, daria uma ótima economia de tempo e dinheiro para muitos moradores de bairros como: Japerí, Santa Rita, Ambaí, Caioaba, Miguel Couto, Andrade Araújo e muitos outros... A princípio, alguns empresários de ônibus ficariam um pouco chateados, mas, logo, com certeza, o bom senso e a competência desses baluartes, os levariam a adaptar-se promovendo novas opções como: mudança de trajeto. Até porque, Mobilidade Urbana que se preza tem que estar acima de interesses mesquinhos de quaisquer um. O objetivo é transportar o povo em tempo hábil, com conforto e segurança, até o dia em que o trabalho, a educação, lazer e assistência social da maioria dos cidadãos se encontrem bem próximos de suas moradias (esse é que seria o ideal).
  Mas, tem mais em relação a trilhos e transporte. Tem o antigo leito da Estrada de Ferro Rio D’Ouro, que seguia paralelo à ‘Linha Preta’, (tubulações da CEDAE) que podemos considerar espaço natural para se recolocar trilhos ao bel prazer do Governo Estadual: Seja para Metrô de superfície. Seja para trem puxado por máquina a óleo ligando Vila de Cava à Pavuna e Belford Roxo, conforme no tempo da "Maria Fumaça". Bem, esse já seria um desafio maior!


Tecnologia de Ponta
Para ler o 1º jornal On Line da Baixada Fluminense, siga a faixa laranja à direita, até o topo, e, clique na capa miniatura. Aguarde uns segundos, e, após abri-la, para aumentar a dimensão, use o 'mause' numa bolinha sobre linha horizontal, fazendo com que corra para a direita . Depois é só correr o mause nos quadrantes das páginas. Para mudar de página clique nas setas ao lado as páginas

Nenhum comentário: